• Christian Dequeker

Treinamento e os Princípios do Treinamento Desportivo

Muitas pessoas me procuram perguntando sobre a metodologia que desenvolvo, se elas irão, em pouco tempo estar bem, se poderão entrar num mar grande e poder aproveitar.


As minhas respostas são objetivadas em conscientizar as pessoas que o treinamento é um processo contínuo, que exige dedicação, disciplina, foco e vontade, ninguém faz mágicas ou milagres, o treinamento é um processo que pode ser mais exigente pra uns e menos pra outros, mas, sempre vai ser exigente.

Pensando nisso, neste texto, decidi colocar alguns pontos importantes sobre os princípios do treinamento desportivo, que é base para treinar para qualquer esporte.







Treinamento desportivo.


“É uma forma de preparar o organismo como um todo, baseada em exercícios sistematicamente elaborados e contidos em um processo pedagógico e estrategicamente organizado, com objetivo de levar um esportista ao melhor desempenho em sua modalidade.“


Treinamento desportivo é a estratégia que ocorre para aprimoramento das capacidades, desenvolvimento e evolução no esporte.


Princípios do treinamento desportivo norteiam o treinamento, regem a construção do treinamento.


Principio da individualidade biológica, é o genótipo + o fenótipo= indivíduo, é o que vem na carga genética + o conjunto de características observáveis de um organismo, não só determinada pelos genes, mas que sofrem influências do meio e dos costumes, hábitos e estímulos entre outros, como alimentação, adquiridos desde o nascimento, até o início da fase adulta, época da vida que o corpo está em formação.


Principio da unidade funcional, o corpo é uma máquina , e como tal, funciona em equilíbrio, órgãos, esqueleto e músculos, são componentes interdependentes, uma lesão, ou problema de funcionamento em algum desses componentes, irá prejudicar o aprimoramento e evolução do treinamento.


Princípio da progressão, carga, volume, densidade, intensidade e freqüência devem ser aplicados e desenvolvidos de forma gradual, proporcionando adaptações em todo o corpo.


Principio da sobrecarga, os esforços específicos devem ser aplicados de forma a obter uma resposta de adaptação adequada, sem promover desgaste, superando os limites inferiores e não ultrapassando os limites superiores de esforço, dessa forma o esportista não deve ficar a quem de sua capacidade, limitando o desenvolvimento, e nem além dela, assim promovendo fadiga excessiva, podendo levar até um overtraining.


Princípio da perspectiva evolutiva ou da treinabilidade, quanto menos treinado o esportista está, mais treinável ele é, quanto mais treinado ele está , menos treinável ele é, ou seja, esportistas que possuem uma grande capacidade e estão no nível máximo, devem treinar muito para obter mínima evolução.


Principio da recuperação, todo corpo que realiza treinamento, é agredido, sofre desequilíbrio, e necessita de repouso para renovar esse equilíbrio do que foi degradado, portanto, repouso, sono, alimentação e supelmentação devem ser incluídos no programa de treinamento.


Principio da participação ativa e consciente do treino, é o resumo da consciência de um esportista que passa pelo conhecimento do objetivo a ser atingido, as metas a serem conquistadas, autoavaliação de rendimento e dedicação às propostas oferecidas, percepção das respostas internas provenientes dos estímulos oferecidos nos exercícios.


Princípio da adequação, todo o estímulo oferecido a um esportista deve ser equilibrado com sua condição atual, não tão baixo para desestimulá-lo, e nem tão forte, afim de proporcionar uma lesão ou mesmo também , levá-lo ao desestímulo.


Princípio da periodização, alguns autores não são adeptos de periodização clássica de treinamento, o método M.S.R. não possui uma periodização, por ser um processo de treinamento que é muito dinâmico, moderno e específico, depende de condições da natureza, claro que seguimos procedimentos padrões do treinamento desportivo relacionado aos conceitos da fisiologia do exercício.


Principio da supercompensação, todo estímulo oferecido ao organismo no treinamento ocasiona alterações estruturais gerais, onde, na recuperação os níveis iniciais são novamente retomados em melhora, proporcionando assim upgrade na condição do esportista.


Principio da transferência, este principio diz que: um tipo de treino ou exercício, pode ser positivo, negativo, ou nulo em outro tipo de treino ou exercício, ou seja, o esportista pode treinar natação para melhorar a condição cardiovascular para a corrida, o importante é saber como utilizar este princípio adequadamente.


Princípio da continuidade, para manutenção, aumento, e busca de performance em qualquer esporte, é fundamental e essencial a continuidade, o processo de treinamento não deve ser interrompido, deve ser realizado constantemente.


Principio da especificidade, um esporte só é bem realizado se os movimentos, posicionamentos e estímulos deles, forem treinados, ou seja, não adianta um surfista treinar alpinismo para obter performance técnica no surf, ou até mesmo um jogador de futebol, ficar arremessando a bola no basquete, sendo que ele tem que chutar a bola com o pé.

Portanto, todos esses princípios são interligados quando falamos de treinamento, independente do esporte esses princípios devem ser observados na estruturação de um plano de treino, só assim, no nosso caso, o surfista obterá boa performance ele deve buscar o equilíbrio e união desses princípios, treinando para surfar bem.


Abraço a todos. Bons treinos e boas ondas.

Christian Dequeker

CREF-SP 16865/G